terça-feira, 6 de novembro de 2012

Passageiro de helicóptero de Carletto que caiu era senador Aécio Neves



Laudo aponta falha mecânica no helicóptero do deputado Ronaldo Carletto que caiu e matou piloto em Itamaraju após desembarque do senador Aécio Neves em Minas Gerais.
Pane no motor, segundo a perícia, foi a causa da queda seguida de explosão do helicóptero, modelo Skilo D4, grande, prefixo PR-DKK-344350, pertencente ao deputado estadual Ronaldo Carletto (PP). A aeronave caiu e explodiu matando o piloto Mário Lopes, 49 anos, um experiente profissional com mais de 6 mil horas de vôo e que estava no comando de um helicóptero de apensas 1 mês de uso e possuía somente 50 horas de vôo.
O acidente com a aeronave foi no início da noite de quarta-feira, do último dia 19 de setembro e foi encontrada por trabalhadores rurais na manhã de quinta-feira, 20/09, na fazenda Califórnia, no interior do município de Itamaraju, na região do rio do Sul, adjacente à divisa com o território de Vereda e partes do corpo do piloto foram localizadas entre as cinzas. O helicóptero tocou com a hélice no chão e se arrastou por cerca de 70 metros até explodir.
O piloto Mário Lopes voltava de Teófilo-Otoni, cidade da região nordeste mineira, onde 25 minutos antes, havia promovido o desembargue do ex-governador de Minas Gerais e atual senador da república Aécio Neves (PSDB), que passou uma semana usando a experiência do piloto e utilizando o helicóptero do amigo deputado Ronaldo Carletto em caminhadas políticas pelo interior de Minas Gerais.
No retorno para Porto Seguro, onde residia o piloto Mário Lopes, houve a queda da aeronave, lhe causando a sua morte e, segundo testemunhas da fazenda, antes do helicóptero cair e explodir, passou sobrevoando baixo e soltando faíscas aparente de fogo. Ou seja, o senador Aécio Neves escapou por pouco de um acidente com o helicóptero, já que horas antes esteve a bordo da aeronave.
Segundo o laudo preliminar, elaborado em conjunto, pela 8ª Coordenação do Departamento de Polícia Técnica de Teixeira de Freitas e pelo 2º Serviço Regional do CENIPA - Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos de Recife, da FAB - Força Aérea Brasileira, a causa da queda do helicóptero foi uma pane no motor, motivada por uma falha mecânica.
Mas somente o laudo oficial que deve ser divulgado para a Polícia Civil até o final deste mês de novembro, deverá esclarecer se a falha veio de fábrica, tendo em vista que a aeronave de produção francesa era nova, ou se a falha se originou de alguma manutenção realizada em solo brasileiro e, existe até mesmo, a chance de a perícia declarar o laudo inconcluso, diante da queima das amostras mecânicas pelo tamanho da destruição causada no local do sinistro (quando não se tem vestígios suficientes e provas materiais satisfatórias para se examinar).


Fonte: Athylla Borborema / Teixeira News

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

.

.