sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Aécio quer governar o Brasil ao lado de Campos

O senador pontuou também que acredita ser positiva a postulação dos dois, no projeto de eliminar a polarização do PT
  O senador pontuou também que acredita ser positiva a postulação dos dois, no projeto de eliminar a polarização do PT

De passagem pelo Recife, o senador Aécio Neves almoçou, nesta sexta-feira (21), com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB). Ao chegar à casa do pernambucano, onde se encontraram, Aécio declarou a imprensa o desejo de construir um novo Brasil ao lado de Campos. Os dois são presidenciáveis, em lados opostos à reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT).
“Essa aliança já existe naturalmente, em muitas partes do Brasil. E do meu ponto de vista, gostaria muito de poder construir um novo Brasil ao lado do governador Eduardo Campos”, afirmou o mineiro. O senador pontuou também que acredita ser positiva a postulação dos dois, no projeto de eliminar a polarização do PT.
“É muito bom que possamos disputar a eleição mesmo que em campos opostos, neste momento, mas com a capacidade de conversar sobre aquilo que for necessário para o Brasil”, disse.
Após pouco mais de três horas de conversa, Campos e Aécio voltaram a falar com a imprensa. Questionado sobre o teor dos assuntos que trataram, durante o almoço, o tucano afirmou que o diálogo entre os dois é “permanente” e pontuou que ambos são “da mesma turma”, ao citar inúmeras qualidades que convergem.
Mesmo com tantas convergências entre os políticos, Aécio alertou que as diferenças entre os dois se sobressairão no palanque. “Certamente elas existirão, somos de partidos diferentes, elas aparecerão na campanha. (...) A presença de Eduardo na disputa eleitoral é extremamente saudável e oxigena o debate”, disse.
“Quem vem lutando há muito tempo para que não houvesse disputa foi o governo, a presidente da República. Eles queriam uma vitória por WO”, complementou fazendo menção aos entraves para a criação do Rede Sustentabilidade e para o desembarque o PSB do Governo Federal. (IG)

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

.

.